Pacientes do serviço de oncologia do HSJosé participam de exposição fotográfica
( fotos: Carol Eyng)

Pacientes do serviço de oncologia do HSJosé participam de exposição fotográfica

 

     Na tarde de ontem o Grupo de Atividades para Pacientes Oncológicos-GAPO do HSJosé, participaram  junto a equipe das lojas Fretta, do lançamento do projeto InsoiraDor, que teve como autor, o fotógrafo Jean Habkost. As pacientes do grupo foram às personagens e inspiração do artista.

     A ação para produção fotográfica, aconteceu este ano no HSJosé, onde pacientes do serviço de oncologia, realizaram uma sessão de fotos com produção artística, idealizada pelo profissional e apoio da fisioterapeuta Edilene Rocha e da Terapeuta ocupacional Angela Cristina Eduardo

As fotos foram ampliadas e hoje estão expostas em formato de banner na entrada de acesso principal do HSJosé; mas todo projeto InspiraDor, hoje faz parte da campanha intitulada: “Abrace a vida com o Fretta”, que ganhou um extenso espaço naloja e estará exposto durante todo mês de outubro na loja, localizada na rua Coronel Pedro Benedet de Criciúma.

A ação

      Para continuar inspirando as pessoas com suas histórias de superação, ontem as pacientes do GAPO, personagens da campanha; participaram do lançamento da exposição e de um momento informativo aberto ao público, juntamente equipe multiprofissional do HSJosé em um momento informativo.

     Pacientes, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional e enfermeira, puderam explicar ao público presente sobre o projeto do GAPO, bem como a importância de realizar o autoexame de mama, e a mamografia anualmente para pacientes com mais de 40 anos. As pacientes do grupo, presentes no momento, também puderam contar sobre suas experiências ao público. Na ocasião, as pacientes fizeram uma apresentação cantando uma música, criada pela musicoterapeuta Luiza Thomé a todos os presentes.

 “Para nós foi muito emocionante, em todos os sentidos. Ficamos muito felizes em poder compartilhar este momento com outras pessoas”, declara Luciana Herberts, gerente de Marketing das Lojas Fretta.

 

 

Leia alguns depoimentos das pacientes que participam do grupo e que foram as personagens do projeto:

 

Sarai Teixeira Macuco – 52 anos

“Descobri o câncer de mama em 2014, depois de realizar exames periódicos. Naquele momento, uma mistura de sentimentos invadiu meu coração. Tive medo, insegurança, dúvidas, mas sempre tive comigo a certeza que iria lutar e viver.

Após cinco anos de tratamento, fui surpreendida pela recidiva; novo laudo com câncer de mama. Desta vez a opção do médico foi a mastectomia. Agora não havia tanto medo, pois já sabia o caminho a percorrer. Eu estou vencendo a cada dia, na certeza de que amo viver; e hoje com mais maturidade, pois adquiri mais experiência.

A luta é árdua, mas certamente um grande processo evolutivo, tanto emocional quando espiritual. Confiança e fé.

 

Delícia Fortunatto – 57 anos

“Descobri o câncer após o autoexame no banho. Imediatamente procurei um médico especialista. Iniciei uma bateria de exames, que me deram o diagnóstico de câncer de mama. Foi tudo muito rápido e logo iniciei o tratamento de radioterapia e quimioterapia. Até então tudo certo. Após quatro anos, o câncer voltou e foi então que precisei retirar a mama.

Mesmo com todas a batalhas, continuo mantendo o bom astral e não desanimo, por que isso não irá adiantar. Precisamos ir em frente e continuar a batalha, tratando.

Quando descobri, nunca imaginei que poderia ver meus filhos casando, ver meus netos, e hoje tenho uma neta de 13 anos. Minha história foi abalada, mas eu não desisto. Tenho pessoas ao meu lado que me apoiam e me dão força. Participo de um Grupo dentro do Hospital - o GAPO; de atividades para pacientes oncológicos, estas pessoas também nos ajudam na superação.

Tenho muita fé que vou superar tudo isso.  E continuo seguindo em frente, não vou desanimar nunca, sou muito feliz.

 

Evelise Baptista Figueira – 53 anos

Eu fui diagnostica com câncer de mama em outubro de 2018 e iniciei a quimioterapia para diminuir meu nódulo que era bem grande. Conseguimos diminuir o nódulo em 70%, foi uma vitória. Após, realizei a cirurgia para retirar um quadrante da minha mama; minha recuperação foi muito tranquila, em 15 dias eu já estava super ativa.

Quando a gente se depara com o diagnóstico de câncer, temos duas opções: enfrentar ou desistir, e deu super certo, eu tive todo apoio da minha família e das pessoas que me cercam, mas o principal é que Deus me fortaleceu de uma forma fantástica, uma coragem que eu precisava para enfrentar o problema. Mas hoje eu posso dizer que sou uma ex cancerosa, e o que tudo isso deixou em mim, é que quando a gente quer, a gente pode.

Tenho um sentimento de eterna gratidão por todo atendimento que recebi na unidade oncológica, sou muito grata, só tenho a agradecer por todo carinho e cuidado recebido.

 

Marinalda Ricardo Sebastião - 64 anos

Em dezembro de 2016, descobri que estava com câncer de mama. Quando recebi a notícia foi horrível. Minha filha estava me acompanhando no momento em que recebi a notícia e ficou em choque. Percebi o estado que ela ficou, então tratei de reagir, pedindo forças a Deus para que ela não percebesse que eu estava abalada.

A médica me disse que o câncer estava em grau avançado, e que eu tinha um nódulo de quatro centímetros. Eu iria iniciar rapidamente as sessões de quimioterapia.

Sai do consultório, fui para praia para contar para meus netos sobre meu problema,mas disse a eles:”Vamos para o carnaval”. Eles não acreditaram. Minha família ficou desesperada e via as lágrimas correndo no rosto de todos. Mas me mantive firme para não demonstrar minha tristeza.

Comprei camiseta para todos e fomos para avenida.

Fazia três meses que havia perdido minha filha de 34 anos, vítima de um acidente. Todos ainda estávamos chocados. Mas eu sempre busquei força em Deus.

Tive momentos difíceis, mas encontrei vários anjos em minha vida...meus marido,meus filhos, netos e amigos e também descobri dois anjos que cuidam de uma grupo que faço parte hoje o GAPO, Angela e Edi,que continuam me dando forças até hoje.

Faço um apelo para todos que passam por este problema, lute, é difícil, mas não é impossível, vamos vencer ele não deixar ele nos vencer.

 

·        Adriana de Souza Vicente – 48 anos

E a vida seguiu ...

Descobri o câncer de mama aos 45 de idade em 2016 foi junto com a separação...tive que ir a luta sozinha mas fui cuidada por um Deus maravilhoso e minha mãe.

Fiz biopsia e foi constatado com a doença de pageut que começou no bico e o câncer de mama grau III agressivo.

Nessa hora perdi o chão. O medo, angústia, dor, tomaram conta de mim! Não é fácil receber um diagnóstico de câncer. Tirei forças de mim para não desanimar e segui.  Não importa se o câncer está ou não no início, a verdade é que ele é devastador, tanto no físico como no âmbito emocional.

Fiz a masctomia total da mama  direita e em seguida iniciei  as sessões de quimioterapia intercaladas a cada  21 dias num total de 25. E lá se foi um ano e meio de tratamento.

Perdi os cabelos, o tratamento nos suga muito. Me sentia muito cansada e sem ânimo para as atividades. Mas hoje essa fase passou.

Graças a Deus estou bem, Deus é que tem sustentado minha vida e me fortalecido.

Três anos em tratamento contra o câncer, hoje apenas em acompanhamento médico.

 

 Débora Ariane - 37 anos

     Sou técnica de Enfermagem, casada, tenho dois filhos, um de 21 e um de 11.

Sempre fiz o autoexame, mas em fevereiro de 2018, descobri um nódulo na mama esquerda. A princípio fiquei calma por achar que era uma calcificação do leite, pois amamentei os dois filhos. Ainda em dúvida, pedi para enfermeira fazer o exame de toque pra mim. Achamos melhor fazer uma mamografia, mostrei para médica de minha unidade de saúde e ela me pediu um ultrassom e já me encaminhou ao mastologista.

O susto foi grande. Na consulta, durante o exame de toque e os exames de laboratoriais, veio à confirmação de câncer.  Um soco no estômago! Mas eu não senti que isso ia me abalar. Sai da consulta já com todos os encaminhamentos e com uma certeza de que não era isso que ia me derrubar.

O difícil foi contar para o meu filho que na época tinha nove anos. Como no ano de 2018 eu e meu marido estávamos comemorando 20 anos de casamento e estávamos com viagem marcada para comemoração, foquei na viagem. Convencer a mastologista para liberar para viagem também foi difícil. Quando disse que iria até mesmo careca, ela liberou.

Depois terminei as sessões de quimioterapia fiz mastectomia total e esvaziamento de axila e fiz rádio.

Hoje estou bem, e continuo tendo muito fé.

 

Aurora Figueira Caminha

 Quando recebi o resultado dos exames e tive a indicação de fazer a cirurgia, foi um momento em que agi com muita naturalidade. Já sofri bastante nesta vida e sempre que passo por momentos assim, sinto a presença de Jesus e hoje vivo na graça de Deus, na paz e caridade.

A gente vai seguindo e graças a uma amiga que me convidou para assistir uma palestra no Hospital São José, conheci dois Anjos que trabalham neste lugar; Angela e Edilene, que cuidam de um Grupo especial: o GAPO. Além de paciente me tornei voluntária também. Hoje digo que meu dia mais feliz é na sexta-feira. Levanto bem cedinho e vou para o Hospital São José, lá eu recebo muito carinho e sou feliz ajudando as pessoas, na Unidade de Tratamento Oncológico. Muitas vezes até me perguntam quanto recebo de salário, e eu digo: muito amor.

Mesmo sabendo que passei pelo diagnóstico do câncer de mama, hoje percebo que estar perto das pessoas do bem, me afasta de pessoas negativas.

Sou muito feliz.

O Hospital São José é uma bênção de Deus.

    

( A exposição completa você pode conferir na loja Fretta até o dia 30/10/2019).

 

 

Fotos da notícia

Notícias São José