Histerossalpingografia exame capaz de identificar problemas ginecológicos
(foto ilustrativa)

Histerossalpingografia exame capaz de identificar problemas ginecológicos

 

     Você sabia que existe um exame capaz de identificar problemas ginecológicos? Sim, estamos falando da Histerossalpingografia (HSG).

 

O que é histerossalpingografia?

 

     Histerossalpingografia é um raio-x, realizado com contraste que permite verificar possíveis anomalias nas trompas e cavidade uterina, sendo solicitado parapacientes com dificuldades em engravidar.

“O exame de histerossalpingografia é simples, geralmente é indicado para mulheres que tiveram abortos espontâneos, mas é preciso avaliar a causa; infertilidade (avaliar a permeabilidade), avaliação pós-cirúrgica (nos casos de laqueadura) e suspeita de estreitamento nas tubas uterinas que podem causar obstrução total ou parcial do canal cervical, pois se consegue visualizar a anatomia do sistema reprodutor feminino desde o útero até os ovários”, descreve o médico radiologista e intervencionista do HSJosé, Gleidson Vedovato Junior (CRM-25390/RQE-15649).

 

Quando deve ser feita a histerossalpingografia?

 

     A histerossalpingografia é solicitada quando é necessário avaliar o formato do útero e se as tubas estão obstruídas dilatadas ou com trajeto alterado, situações que trazem possivelmente a infertilidade.

Em alguns casos, o HSG também é solicitado por ginecologistas, para verificar o histórico de abortos espontâneos repetidas vezes. A situação pode ser resultado de anormalidade congênita ou adquiridas no útero.

 

 

 Algumas indicações para realização do exame:

 

* O exame é realizado entre o 8º e 12º dia do ciclo menstrual;

* A paciente não deve ter relação sexual até três dias antes do procedimento;

* O exame é feito com a paciente deitada de costas com joelhos flexionados, é realizado a assepsia dos grandes e pequenos lábios, inserido um espéculo na vagina, colocado campos estéreis sobre o corpo do paciente, ficando apenas visível o local do exame. Realizado então assepsia no interior do útero com gaze utilizando-se de uma pinça. Em seguida é introduzido um cateter no interior do útero e insuflado um pequeno balão para fixação do mesmo. Com uma seringa conectada na extremidade do cateter é então injetado o contraste e realizado as radiografias.

 

     Resultados

 

     Caso o exame indique formato normal e permeabilidade dos tubos bilaterais normais, é descartada a possibilidade de obstrução das tubas ou má-formação uterina como causas da infertilidade, desta forma, podem existir outros problemas ginecológicos e novos exames complementares devem ser solicitados para um melhor diagnóstico.

 Vale ressaltar, que é de extrema importância, discutir e tirar todas as dúvidas com o médico especialista.

     A dificuldade de gestação pode estar acontecendo por outros problemas, que o exame de histerossalpingografia não pode avaliar como a baixa ou anormal contagem de esperma do homem ou a incapacidade de um óvulo fertilizado para implantar no útero.

 

    Procedimento

 

     Geralmente, este tipo de procedimento dura em torno de 20 minutos. Não há contraindicações. Caso o paciente tenha alergia ao contraste é realizado um preparo medicamentoso para o exame.

Após o resultado é possível estabelecer o melhor tratamento a ser seguido ou procedimento a ser feito.

Notícias São José