Serviços

Parto Normal

Dados no Ministério da saúde apontam que, dos 3 milhões de partos feitos no Brasil em 2015, 55,5% foram cesáreas e 44,5%, partos normais. Em 2016, a tendência de estabilização se manteve com o mesmo índice de 55,5% (dado preliminar). Considerando apenas os procedimentos realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), os partos normais (59,8%) já superam as cesarianas (40,2%). O indicado pela Organização Mundial de Saúde - OMS, é que até 15% dos partos seja cesariana, e os índices no Brasil são bem mais altos. O risco de morte materna associada à cesariana, por exemplo, é 3,5 vezes maior que o método natural.

Conheça os principais benefícios do PARTO NORMAL e saiba como ele é realizado.

O parto normal dói, mas a dor é suportável e existem muitas maneiras de combatê-la, tais como:

  • Respirar lenta e profundamente durante as contrações;
  • Confiança na equipe médica;
  • Presença de um familiar ou amigo durante o trabalho de parto;
  • Poder movimentar-se e receber massagens durante as contrações;
  • Banho morno;
  • Alimentação leve e hidratação, ingerindo líquido.

É muito importante que a mulher faça o acompanhamento pré-natal para que ela e o médico saibam se existe algo que impeça o parto normal, como alguma infecção ou alteração no bebê, por exemplo. Se tudo estiver bem, não existe contraindicação para o parto normal, basta deixar a natureza agir.

Vantagens Parto Normal para a mamãe:

  • Menor risco de infecção;
  • Recuperação mais rápida;
  • Favorece a produção de leite materno;
  • Estreita os laços sentimentais com o bebê;
  • É mais econômico;
  • Menor tempo de internamento hospitalar;
  • Melhor recuperação no pós-parto;
  • O útero volta ao seu tamanho normal mais rapidamente, diminuindo o risco de hemorragia;
  • A cada parto normal, o tempo de trabalho de parto fica mais curto;
  • A perda de sangue é menor que no parto cesárea. Dado importante: a cirurgia abdominal da cesariana provoca uma perda em torno de 1,5 litros de sangue,enquanto que o parto normal, geralmente, provoca perda de até meio litro.

Vantagens para o bebê:

  • Diminuição do desconforto respiratório, pois ao passar pelo canal vaginal, seu tórax é comprimido e isso faz com que os líquidos de dentro do pulmão sejam expelidos com mais facilidade;
  • O bebê também se beneficia das alterações hormonais que ocorrem no corpo da mãe durante o trabalho de parto, fazendo com que ele seja mais ativo e responsivo ao nascer;
  • Durante a passagem pelo canal vaginal, o corpo do bebê é massageado, fazendo com que ele desperte para o toque e não estranhe tanto ao ser manipulado ao nascer;
  • Ao nascer, pode ser imediatamente colocado em cima da mãe, o que acalma mãe e filho;
  • Após estar limpo e vestido, o bebê pode permanecer todo o tempo junto a mãe; se ambos estiverem saudáveis, pois não há necessidade de ficar em observação.

O parto normal não pode ser realizado com dia marcado na agenda, mas o obstetra é capaz de apontar uma semana de maior propensão para o nascimento do bebê.

Você sabe o que é parto humanizado?

Grande parte das mulheres passam a gestação preocupadas com a hora do parto, afinal, a própria palavra se tornou sinônimo de algo sacrificado, difícil e até mesmo doloroso. Mas será que a hora de receber o bebê aguardado por nove meses deve ser realmente traumática? A resposta é não!

O parto natural ou humanizado representa uma retomada do método antigo de dar à luz, quando a mulher dita o ritmo do parto, e escolhe como terá o bebê e quando ele nascerá.

A diferença entre parto natural humanizado e o parto normal, é justamente a maneira como o processo é conduzido. No parto humanizado o atendimento é centrado na mulher, que é tratada com respeito e de forma carinhosa, podendo desfrutar da companhia da família, caminhar, tomar banho de chuveiro ou banheira para aliviar as dores. As intervenções de medicamento, aceleração do parto ou mesmo o tradicional corte vaginal acontece somente quando é estritamente necessário.

No parto humanizado, os protagonistas são a gestante e seu filho, que está para nascer. Tão importante quanto os procedimentos médicos, também é a atenção e cuidado com o delicado momento em que mãe e filho estão vivendo. Uma diferença marcante dessa nova forma de parto, são os procedimentos, muitas vezes não necessários, de rotina, usados nos hospitais como: indução do parto, corte do períneo (episiotomia), uso de anestesia, raspagem dos pelos pubianos, parto cirúrgico (ou parto cesárea). Esses e outros procedimentos são utilizados apenas quando a gestante e seu cuidador concordam na manobra a ser feita, isto é, a gestante participa ativamente do processo.